Corona Virus – Update – Abril/2020

(Parte 1)

Com a chegada do mês de Abril assistimos a um novo desenvolvimento da chamada “pandemia global” – dessa vez afetando crucialmente os países menos desenvolvidos, dentre eles o Brasil.

Junto do alastramento da pandemia, todos os efeitos colaterais que afetam a sociedade sugerem um endurecimento do Estado Policial montado para lutar contra o inimigo invisível – também se fizeram presentes os relatos de pessoas diretamente afetados pelo novo virus e a crise do sistema de saúde, assim como a obsessão da mídia em registrar os novos casos e divulgar estatísticas – sem, contudo, prestar mais atenção ao que ocorre além da superfície (já que gráficos e números não contam toda história).

Neste campo de guerra encontramos hospitais que se recusam a atender pacientes e staff mal-preparado – enquanto isso governos fazem headlines ao permitirem a abertura de valas comuns para enterrar as vítimas suspeitas de terem contraído o vírus – e com isso aumentar o pânico, e retirar qualquer possibilidade de que os corpos sejam identificados e exumados no futuro. Dizer que muitos desses corpos são suspeitos de morte por COVID-19 não é um eufemismo – já que um número de pessoas sendo enterradas nesses cemitérios improvisados não apresentaram sintomas fatais e muitas chegam no hospital após sentirem algum desconforto (talvez causado por ansiedade), e não retornam à suas famílias após serem submetidas ao tratamento (este também alvo de críticas mundo afora).

Enquanto isso veículos de mídia independente, como o Swiss Propaganda Research, continuam a apresentar testemunhos de autoridades médicas e opinões críticas ao atual estado do sistema de saúde e as medidas de enfrentamento ao virus. Para compensar a precariedade dos dados e da infra-estrutura médica – no qual enfermeiros e médicos despreparados tem que lidar com a falta de equipamento e a histeria do público – políticos fazem o possível para ganhar o apoio popular em suas medidas autoritárias. Em ações provocadas por redes sociais (hashtags), a sociedade agora passa a se reunir nas portas de suas prisões domiciliares para aplaudir os médicos, enfermeiras e cuidadores que agora são vistos como combatentes em um fronte de guerra. Mas o que se esconde por detrás destes aplausos? Hospitais vazios e funcionários com tempo de sobra.

Foi também em Abril que assistimos ao terremoto político e financeiro que varreu o mundo como consequência do virus. Enquanto países como os EUA apresentam números crescentes de desemprego, grandes corporações digitais como a Amazon multiplicam o faturamento e criam mais postos de trabalho, enquanto serviços de delivery tornam-se parte essencial da vida. Além do boom dos negócios online, a mídia agora também explora a possibilidade que todos sejamos salvos pela boa-vontade do Sr. Bill Gates – o Nerd, sem nenhum background médico, que tornou-se sinônimo de Saúde Global com seu instituto filantrópico Bill & Melinda Gates Foundation. Líderes mundiais também passam a articular o futuro da política com duas preocupações em mente: encontrar um culpado pela calamidade e uma solução para a pandemia (a vacina milagrosa – que pode vir a encher os bolsos do todo-poderoso dono da Microsoft).

1 de abril

Médicos Italianos demonstram que casos de pneumonia aguda já haviam sido observados no mesmo período do ano anterior. Contudo, análises do material genético dos infectados mostra que o virus Covid-19 só veio a aparecer em Janeiro deste ano. Este dado vem para questionar se o virus é o único responsável pelo alto número de mortalidade dos meses anteriores (Novembro e Dezembro).

O Swiss Propaganda Research recebe o testemunho de um observador local (na Itália), ilustrando o quadro do serviço de saúde Italiano EM RELAÇÃO com a ausência de profissionais de saúde (muitos deles imigrantes do Leste Europeu). Leia:

Nas últimas semanas, a maioria das enfermeiras da Europa Oriental que trabalhavam 24 horas por dia, 7 dias por semana, ajudando pessoas necessitadas de cuidados na Itália, deixou o país às pressas. Isso não é menos importante, devido ao combate ao pânico e ao toque de recolher e ao fechamento de fronteiras ameaçados pelos “governos em estado de emergência”. Como resultado, os idosos que precisam de cuidados e as pessoas com deficiência, alguns sem parentes, foram deixados impotentes por seus cuidadores.

Muitas dessas pessoas abandonadas acabaram depois de alguns dias nos hospitais, que estavam permanentemente sobrecarregados por anos, porque estavam desidratados, entre outras coisas. Infelizmente, os hospitais não dispunham do pessoal que cuidava das crianças trancadas em seus apartamentos porque as escolas e creches haviam sido fechados. Isso levou ao colapso completo dos cuidados às pessoas com deficiência e aos idosos, especialmente nas áreas onde foram ordenadas medidas ainda mais difíceis e a condições caóticas.

A emergência de enfermagem, causada pelo pânico, levou temporariamente a muitas mortes entre aqueles que precisavam de cuidados e cada vez mais entre pacientes mais jovens nos hospitais. Essas fatalidades serviram para causar ainda mais pânico entre os responsáveis ​​e a mídia, que relataram, por exemplo, “outras 475 mortes”, “os mortos estão sendo removidos dos hospitais pelo exército”, acompanhados de fotos de caixões e caminhões do exército alinhados.

No entanto, este foi o resultado dos diretores de funerais – medo do „vírus assassino“, que, portanto, recusou seus serviços. Além disso, por um lado, houve muitas mortes de uma só vez e, por outro lado, o governo aprovou uma lei de que os cadáveres portadores do coronavírus tinham que ser cremados. Na Itália católica, poucas cremações haviam sido realizadas no passado. Portanto, havia apenas alguns pequenos crematórios, que rapidamente atingiram seus limites. Portanto, o falecido teve que ser estabelecido em diferentes igrejas.

Em princípio, esse desenvolvimento é o mesmo em todos os países. No entanto, a qualidade do sistema de saúde tem uma influência considerável sobre os efeitos. Assim, há menos problemas na Alemanha, Áustria ou Suíça do que na Itália, Espanha ou EUA. No entanto, como pode ser visto nos números oficiais, não há aumento significativo na taxa de mortalidade. Apenas uma pequena montanha que veio dessa tragédia.”

Situação hospitalar nos EUA, Alemanha e Suíça

A estação de televisão americana CBS foi capturada usando imagens de uma unidade de terapia intensiva italiana em um artigo sobre a situação atual em Nova York.

Ao contrário dos relatos da mídia, o registro das unidades de terapia intensiva alemãs também não mostra aumento de ocupação. Um funcionário de uma clínica de Munique explicou que eles estavam „esperando por semanas pela onda“, mas que „não houve aumento no número de pacientes“. Ele disse que as declarações dos políticos não correspondiam à sua própria experiência e que o „mito do vírus assassino“ não pôde ser „confirmado“.

Também nas clínicas suíças, nenhum aumento de ocupação foi observado até o momento. Um visitante do hospital cantonal de Lucerna relata que há „menos atividade do que em tempos normais“. Andares inteiros foram fechados para o Covid19, mas a equipe „ainda está esperando os pacientes“. Os hospitais de Berna, Basileia, Zug e Zurique também foram „limpos“. Mesmo em Ticino, as unidades de terapia intensiva não estão trabalhando em capacidade, mas os pacientes agora estão sendo transferidos para os departamentos suíço-alemães. Do ponto de vista puramente médico, isso faz pouco sentido.

Outras notas médicas

O diretor do University Medical Center Hamburg, Dr. Ansgar Lohse, exige um fim rápido dos toques de recolher e proibições de contato. Ele argumenta que mais pessoas devem estar infectadas com o corona. Creches e escolas devem ser reabertas o quanto antes para que as crianças e seus pais se tornem imunes à infecção pelo vírus corona. A continuação das medidas rígidas levaria a uma crise econômica, que também custaria vidas, disse o médico.

Na Espanha, 15% dos testes positivos são médicos e enfermeiros. Embora muitos deles não apresentem sintomas, eles precisam entrar em quarentena, causando o colapso do sistema de saúde espanhol.

O Dr. John Lee, professor emérito de patologia, está escrevendo sobre a definição e comunicação altamente enganosas de „mortes por corona“ no British Spectator.

Os dados mais recentes da Noruega, avaliados por um PhD em toxicologia ambiental, mostram novamente que a taxa de testes positivos não aumenta – como seria de esperar no caso de uma epidemia -, mas oscila na faixa normal de coronavírus entre 2 e 10 % A idade média do falecido com teste positivo é de 84 anos, as causas da morte não são divulgadas publicamente e não há excesso de mortalidade.

A Suécia, que até o momento administrou sem medidas radicais e não relatou aumento da mortalidade (semelhante a países asiáticos como Japão ou Coréia do Sul), é notavelmente pressionada pela mídia internacional a mudar sua estratégia.

Dados do estado de Nova York mostram que a taxa de hospitalização de indivíduos positivos para o teste pode ser mais de vinte vezes menor do que o inicialmente assumido.

Um artigo no portal especializado DocCheck trata do problema de ventilação de pacientes positivos para o teste. Em pacientes com teste positivo, a ventilação simples através de uma máscara é oficialmente desaconselhada, entre outras coisas, para impedir que o coronavírus se espalhe pelos aerossóis. Portanto, pacientes com terapia intensiva positiva em teste geralmente são intubados diretamente. No entanto, a intubação tem poucas chances de sucesso e muitas vezes leva a danos adicionais nos pulmões (os chamados danos pulmonares induzidos pelo ventilador). Quanto à medicação, surge a questão de saber se um tratamento mais gentil dos pacientes não seria clinicamente mais sensato.

Many who go on a ventilator die, and those who survive likely will face ongoing breathing problems caused by either the machine or the damage done by the virus.

https://www.webmd.com/lung/news/20200415/ventilators-helping-or-harming-covid-19-patients#1
Trabalhadores Indianos sendo “desinfectados”

Relatórios sobre desenvolvimentos políticos

Um ministro do estado alemão pediu à população que „esteja vigilante e denuncie violações das regras para conter a epidemia de corona à polícia“. “Anunciados com ansiedade” são, por exemplo, “formação proibida de grupos, crianças em playgrounds, festas” e caminhadas.

Especialistas alemães em direito constitucional estão alertando para „sérias violações de direitos fundamentais“. O especialista em direito constitucional Hans Michael Heinig adverte que o „estado constitucional democrático pode se transformar em um estado de higiene fascista-histérico em pouco tempo“. O professor Christoph Möllers, da Universidade Humboldt de Berlim, explica que a lei de proteção contra infecções „não pode servir de base para restrições tão abrangentes dos direitos dos cidadãos“. Segundo o ex-presidente do Tribunal Constitucional Federal da Alemanha, Hans Jürgen Papier, „medidas de emergência não justificam a suspensão das liberdades civis em favor de um estado autoritário e de vigilância“.

Petições online foram lançadas em vários países para encerrar o toque de recolher e outras violações de direitos básicos. Ao mesmo tempo, contribuições críticas em vídeo, mesmo por médicos, estão sendo cada vez mais excluídas. Em Berlim, um evento registrado sobre direitos fundamentais, no qual a constituição alemã foi distribuída, foi encerrado pela polícia.

2 de abril de 2020

EUA

Um biofísico suíço observou o fato de que nos EUA (como no resto do mundo), não é o número de pessoas „infectadas“ que está aumentando exponencialmente, mas o número de testes. O número de pessoas positivas para o teste em relação ao número de testes permanece constante ou aumenta lentamente, o que parece falar contra uma epidemia viral exponencial.

Número de testes positivos e negativos (à esquerda) e porcentagem de testes positivos (à direita) (dados de Scholkmann, EUA)

Alemanha

De acordo com o último relatório sobre influenza do Instituto Robert Koch, o número de doenças respiratórias agudas „caiu acentuadamente em todo o país“. Os valores „caíram em todas as faixas etárias“.

Um artigo no DIE ZEIT discute a questão de pacientes em terapia intensiva na Alemanha:

“Atualmente, políticos, especialistas e muitos cidadãos observam com preocupação o número exponencialmente crescente de pessoas que são infectadas todos os dias. No entanto, esse não é o indicador decisivo para avaliar quão gravemente a crise da corona é e atingirá a Alemanha. Pois é distorcida, acima de tudo, pelo número de testes, que vêm aumentando há semanas.

Para medir a carga sobre o sistema de saúde, é particularmente importante o número de pessoas tão gravemente doentes que precisam de ventilação mecânica. Enquanto houver locais de ventilação suficientes para eles, muitos deles poderão ser salvos. Somente quando esses leitos se tornam escassos é que uma situação como a da Itália ameaça.

O registro DIVI agora mostra que a situação nas unidades de terapia intensiva alemãs foi relaxada até agora. „Ainda estamos em uma área confortável“, diz Grabenhenrich. O número de pacientes gravemente enfermos não está aumentando tão acentuadamente quanto o número de pacientes infectados e, mesmo assim, ainda seria possível fornecer um grande número de leitos de terapia intensiva com equipamentos muito bons.”

Suíça

O Escritório Federal Suíço de Saúde Pública relata que foram realizados até o momento cerca de 139.330 testes Covid19, dos quais o resultado foi positivo em 15% dos casos. Esse número também corresponde ao valor típico do vírus corona conhecido em outros países e, até onde pode ser visto, também não parece estar aumentando na Suíça.

Apenas o número de testes frequentemente mencionados na mídia está aumentando exponencialmente, mas não o número de „infectados“, doentes ou até mortos.

Outras informações

Os kits de teste de vírus destinados à Grã-Bretanha tiveram que ser recolhidos porque já continham componentes do vírus corona.

O estudo do British Imperial College, que previu centenas de milhares de mortes adicionais, mas nunca foi publicado em um jornal ou revisado, foi baseado em suposições amplamente irreais, como agora foi mostrado.

A BBC pergunta: “O coronavírus está causando as mortes?” E responde: “Pode ser a causa principal, um fator contributivo ou simplesmente presente quando eles estão morrendo de outra coisa.” Por exemplo, um homem de 18 anos de idade estava relatado como a “vítima mais jovem da corona” após um teste positivo no dia anterior à sua morte. No entanto, o hospital informou mais tarde que o jovem havia morrido de uma condição séria pré-existente.

A autoridade européia da saúde ECDC publicou diretrizes muito rígidas para o manuseio de cadáveres positivos para o teste ou „suspeitos positivos para o teste“. Em vista das taxas de mortalidade muito baixas até o momento, essas diretrizes parecem questionáveis ​​do ponto de vista médico; no entanto, eles aumentam significativamente a carga sobre os serviços de saúde e funeral e, ao mesmo tempo, têm um alto impacto na mídia.

Um veículo de mídia estatal alemão publicou um comentário crítico sobre a Carta aberta do professor Sucharit Bhakdi ao chanceler Merkel.

O documentário da ARTE „Profiteers of Fear„, de 2009, mostra como a OMS, principalmente financiada pelo setor privado, atualizou „uma leve onda de gripe (a chamada“ gripe suína „) para uma pandemia global, de modo que vacinas no valor de vários bilhões de dólares poderiam ser vendidas a governos em todo o mundo. Alguns dos protagonistas da época estão novamente representados de forma proeminente na situação atual.

Alguém se lembra da “Gripe Suina”?

Já em 2018, o Guardian escreveu que “A poluição e a gripe aumentam acentuadamente em doenças relacionadas aos pulmões”: a escassez de especialistas aumenta as preocupações de que o aumento das doenças respiratórias esteja pressionando os serviços de emergência.

O professor Martin Haditsch, especialista em microbiologia, virologia e epidemiologia de infecções, critica fortemente as medidas da Covid19. Estes são „completamente infundados“ e „pisariam no bom senso e nos princípios éticos“.

Até mesmo representantes de casas de repouso alemãs agora estão reclamando das medidas restritivas e cobertura inadequada da mídia da Covid19: “Mesmo antes do coronavírus nos meses de inverno, acontecia que muitos moradores morriam, em um tempo relativamente curto, sem que houvesse equipes de televisão em frente à porta,  mostrando pessoas em trajes de proteção se expondo heroicamente ao risco de infecção”

Números da cidade italiana de Treviso, no norte da Itália, mostram que, apesar das 108 mortes positivas no final de março, a mortalidade geral nos hospitais municipais permaneceu aproximadamente a mesma que nos anos anteriores. Essa é mais uma indicação de que o aumento temporário da mortalidade em alguns locais é mais provável que seja devido a fatores externos como pânico e colapso do que apenas ao coronavírus.

O professor John Oxford, da Queen Mary University London, um dos principais especialistas em virologia e influenza do mundo, chega à seguinte conclusão sobre o Covid19:

“Pessoalmente, eu diria que o melhor conselho é gastar menos tempo assistindo notícias na TV que são sensacionalistas e não muito Boa. Pessoalmente, vejo esse surto covarde como uma epidemia de gripe ruim no inverno. Nesse caso, tivemos 8000 mortes neste ano passado nos grupos „em risco“, com mais de 65% de pessoas com doenças cardíacas etc. Não creio que o atual Covid19 exceda esse número. Estamos sofrendo de uma epidemia da mídia! „

3 de Abril

EUA: Mais vídeos de jornalistas cidadãos mostram que em hospitais descritos pela mídia americana como „zonas de guerra“, na verdade ainda é muito silencioso. (Crítica)

Áustria: Na Áustria, também, “mortes por corona” são aparentemente definidas de maneira “muito liberal”, conforme a mídia informa: “Você também conta como morte por corona se estiver infectado pelo vírus, mas morrer de outra coisa? Sim, dizem Rudi Anschober e Bernhard Benka, membros da Força-Tarefa Corona no Ministério da Saúde. “Atualmente, existe uma regra clara: Morrer com o vírus corona ou morrer do vírus corona conta para as estatísticas.“ Nenhuma diferença é feita sobre o que o paciente realmente morreu. Em outras palavras, um homem de 90 anos que morre com uma fratura do colo do fêmur e fica infectado com corona nas horas anteriores à sua morte também é contado como morte por corona. Para citar apenas um exemplo. „

Alemanha: O Instituto Alemão Robert Koch desaconselha autópsias de pessoas mortas com teste positivo porque o risco de infecção por gotículas por aerossóis é supostamente alto demais. Em muitos casos, isso significa que a verdadeira causa da morte não pode mais ser determinada.

Um especialista em patologia comenta o seguinte: “Quem pode pensar mal disso! Até agora, é natural que os patologistas realizem autópsias com as devidas precauções de segurança, mesmo no caso de doenças infecciosas como HIV / AIDS, hepatite, tuberculose, doenças PRÍON etc. É notável que em uma doença que mata milhares de pacientes em todo o mundo e paralisa a economia de países inteiros, apenas poucos achados de autópsia estão disponíveis (seis pacientes da China). Do ponto de vista da polícia epidêmica e da comunidade científica, deve haver um nível particularmente alto de interesse público nas conclusões da autópsia. No entanto, o oposto é o caso. Você tem medo de descobrir as verdadeiras causas da morte do falecido testado positivamente? Será que o número de mortes por coroa desapareceria como a neve sob o sol da primavera?

É notável que com tantas fatalidades pelo mundo
Milhares de pacientes são jogados fora junto da economia de países
E poucos são submetidos a autopsias…

Itália: Especialistas russos notaram „mortes estranhas“ em casas de repouso na Lombardia: „Segundo relatos de jornais, vários casos foram registrados na cidade de Gromo, nos quais supostos infectados pelo vírus corona simplesmente dormiam e nunca mais acordavam. Nenhum sintoma real da doença havia sido observado no falecido até então. Como o diretor da casa de repouso mais tarde esclareceu em uma entrevista à RIA Novosti, não está claro se os falecidos foram realmente infectados com o coronavírus, porque ninguém na casa foi testado para isso.

Casos similares já foram relatados na Alemanha: pacientes sem sintomas de doença morrem repentinamente na atual situação excepcional e são considerados „mortes por corona“. Aqui, novamente, surge a séria questão: quem morre com o vírus e quem morre com as medidas às vezes extremas?

Equipe de enfermagem: O Süddeutsche Zeitung relata: “Em toda a Europa, a pandemia está pondo em risco o atendimento aos idosos em casa, porque a equipe de enfermagem não pode mais visitá-los – ou deixou o país inteiro com pressa para voltar para casa.”

Por fim: o professor de medicina de Stanford, Dr. Jay Bhattacharya, deu uma entrevista de meia hora na qual questiona a „sabedoria convencional“ sobre Covid19. As medidas existentes foram decididas com base em dados muito incertos e parcialmente questionáveis.

5 de abril de 2020

Em uma entrevista de 40 minutos, o professor de epidemiologia de renome internacional Knut Wittkowski, de Nova York, explica que as medidas tomadas no Covid19 são todas contraditórias. Em vez de “distanciamento social”, fechamento de escolas, bloqueio, máscaras bucais, testes de massa e vacinação, a vida deve continuar o mais tranquila possível e a imunidade deve ser construída na população o mais rápido possível. De acordo com todas as descobertas realizadas até o momento, o Covid-19 não é mais perigoso que as epidemias anteriores de influenza. O isolamento agora causaria apenas uma „segunda onda“ posteriormente.

O British Medical Journal (BMJ) relata que, de acordo com os dados mais recentes da China, 78% dos novos indivíduos positivos para o teste não apresentam sintomas. Um epidemiologista de Oxford disse que essas descobertas são „muito, muito importantes“. Ele acrescentou que, se os resultados forem representativos, „temos que perguntar: ‚Por que diabos estamos nos trancando?’“

O Dr. Andreas Sönnichsen, chefe do Departamento de Medicina Geral e Familiar da Universidade Médica de Viena e presidente da Rede de Medicina Baseada em Evidências, considera as medidas impostas até agora como „insanas„. Todo o estado está sendo paralisado apenas para „proteger os poucos que poderiam afetar“.

O governo sueco foi o primeiro que anunciou que vai distinguir oficialmente entre mortes „por“ e mortes „com“ o coronavírus, o que deve levar a uma redução nas mortes relatadas. Enquanto isso, por alguma razão, a pressão internacional sobre a Suécia para abandonar sua estratégia liberal está aumentando constantemente.

A autoridade de saúde de Hamburgo agora está examinando novamente pela medicina forense, as mortes positivas a fim de contar apenas mortes „reais“ por corona. Como resultado, o número de mortes já foi reduzido em até 50% em comparação com os números oficiais do Instituto Robert Koch.

Já em 2018, o German Doctors Journal relatou uma “multidão de casos de pneumonia” no norte da Itália, o que preocupou as autoridades. Na época, suspeita-se que a água potável contaminada seja uma das causas.

O Jornal Farmacêutico Alemão ressalta que, na situação atual, os pacientes frequentemente „ficam gravemente doentes, até morrem, sem desenvolver sintomas respiratórios de antemão“. Os neurologistas suspeitam, a esse respeito, que os vírus corona também possam danificar as células nervosas. Outra explicação, no entanto, seria que esses pacientes, que frequentemente precisam de cuidados, morrem devido ao estresse muito alto.

De acordo com os números mais recentes da Suíça, os sintomas mais comuns de pacientes com teste positivo em hospitais são febre, tosse e dificuldades respiratórias, enquanto 43% ou cerca de 900 pessoas têm pneumonia. Mesmo nesses casos, no entanto, não está claro a priori se foi causado pelo coronavírus ou por outros patógenos. A idade média do falecido positivo no teste é de 83 anos, o intervalo chega a 101 anos.

O projeto britânico “In Proportion” rastreia a mortalidade – com – Covid19 em comparação com a mortalidade por influenza e mortalidade por todas as causas, que na Grã-Bretanha ainda está na faixa normal ou abaixo e atualmente está diminuindo.

No estado americano de Indiana, as chamadas para a linha direta de saúde mental e suicídio aumentaram mais de 2000%, de 1.000 para 25.000 ligações por dia, devido ao bloqueio e ao seu impacto econômico.

O portal médico especialista Rxisk ressalta que vários medicamentos podem aumentar o risco de infecção por vírus corona em até 200% em alguns casos.

Notas adicionais

O jornalista britânico Peter Hitchens descreveu no artigo intitulado „Adoramos o Big Brother“ como até mesmo as pessoas críticas antes eram „infectadas pelo medo“, apesar da falta de uso de medicamentos. Em entrevista, ele explica que a crítica é „um dever moral„, pois os direitos fundamentais estão ameaçados.


Even people I previously respected as reasonably independent minds have fallen for it. They think (though there is only highly debatable evidence for this claim) that by hiding in their homes they will save others from a cruel plague. 

We Love Big Brother

O historiador alemão René Schlott escreve sobre o „Encontro com o estado policial„: “Comprar um livro, sentado em um banco de parque, encontrar-se com amigos – que agora é proibido, é controlado e denunciado. As salvaguardas democráticas parecem explodidas. Onde e como isso termina?”.

 Vários escritórios de advocacia alemães estão preparando ações judiciais contra medidas e regulamentos que foram emitidos. Um especialista em direito médico escreve em um comunicado de imprensa: “Como medidas pelos governos federais e estaduais são flagrantemente inconstitucionais e violam uma infinidade de direitos básicos dos direitos autorais dos direitos humanos na Alemanha em uma extensão sem precedentes. Isso aplica todos os regulamentos do corona dos 16 estados federados. Em particular, essas medidas não são justificadas pela Lei de Proteção contra Infecções, que foi revisada em pouco tempo, apenas alguns dias atrás. () Como os dados e estatísticas disponíveis mostram que a infecção por corona é inofensiva em mais de 95% da população e, portanto, não representa um perigo grave para o público em geral“.

7 de abril de 2020

Os números mais recentes de um relatório especial do alemão Robert Koch Institute mostram que a chamada taxa positiva (ou seja, o número de positivos por número de testes) está aumentando muito mais lentamente do que as curvas exponenciais mostradas pela mídia e estava apenas em torno de 10% no final de março, um valor bastante típico para os vírus corona.

O professor Klaus Püschel, chefe de medicina forense em Hamburgo, explica sobre o Covid19: “Esse vírus influencia nossas vidas de maneira completamente excessiva. Isso é desproporcional ao perigo representado pelo vírus. E o dano econômico astronômico que está sendo causado agora não é proporcional ao perigo representado pelo vírus. Estou convencido de que a taxa de mortalidade por Corona nem aparecerá como um pico na mortalidade anual. “Em Hamburgo, por exemplo, “ nenhuma pessoa que não estava anteriormente doente ”morreu do vírus:“ Todos aqueles que examinamos até o momento, o câncer, uma doença pulmonar crônica, era fumante excessivo ou obeso grave, sofria de diabetes ou apresentava doença cardiovascular. O vírus foi a última gota que quebrou as costas do camelo, por assim dizer. „O Covid-19 é uma doença fatal apenas em casos excepcionais, mas na maioria dos casos é uma infecção viral predominantemente inofensiva“.

Além disso, o Dr. Püschel explica: “Em alguns casos, também descobrimos que a atual infecção por corona não tem nada a ver com o resultado fatal, porque outras causas de morte estão presentes, por exemplo, hemorragia cerebral ou ataque cardíaco. O corona por si só é uma „doença viral não particularmente perigosa“, diz o cientista forense. Ele pede estatísticas com base em resultados de exames concretos. “Todas as especulações sobre mortes individuais que não foram examinadas habilmente apenas alimentam a ansiedade.” Ao contrário das diretrizes do Instituto Robert Koch, Hamburgo começou recentemente a diferenciar entre mortes “com“ e “pelo“ coronavírus, o que levou a uma diminuição nas mortes por Covid19.

“Corona ist kein Killer Virus!”

O virologista alemão Hendrik Streeck está atualmente conduzindo um estudo piloto para determinar as rotas de distribuição e transmissão do patógeno Covid19. Em uma entrevista, ele explica: “Examinei mais de perto os casos de 31 das 40 pessoas que morreram no distrito de Heinsberg – e não fiquei muito surpreso que essas pessoas tenham morrido. Um dos falecidos tinha mais de 100 anos, portanto, mesmo um resfriado comum poderia levar à morte. “Ao contrário das suposições originais, Streeck não conseguiu provar a transmissão por maçanetas de portas e similares (ou seja, as chamadas infecções por contato de superfícies).

Os primeiros hospitais suíços precisam anunciar trabalhos de curta duração devido à utilização da capacidade muito baixa: “A equipe de todos os departamentos tem muito pouco a fazer e reduziu as horas extras em um primeiro passo. Agora, o trabalho de curta duração também está sendo registrado. As consequências financeiras são severas. “Como um lembrete, um estudo realizado pela ETH Zurich, com base em suposições pouco realistas, previu os primeiros gargalos nas clínicas suíças em 2 de abril. Até agora, isso não aconteceu em nenhum lugar.

Na Suíça, houve uma onda acentuada de influenza no início de 2017. Naquela época, havia quase 1500 mortes adicionais na população de mais de 65 anos nas primeiras seis semanas do ano. Normalmente, cerca de 1300 pessoas morrem na Suíça todos os anos como resultado de pneumonia, 95% das quais têm mais de 65 anos. Em comparação, atualmente são relatados na Suíça 762 mortes com (não causadas por) Covid19.

O diretor-gerente de um laboratório ambiental alemão suspeita que os habitantes da região italiana da Lombardia sejam particularmente suscetíveis a infecções virais, como Covid19, devido a uma contaminação notoriamente alta por legionella: “Se os pulmões estão enfraquecidos por uma infecção viral, como na situação atual, as bactérias têm um trabalho fácil, podem influenciar negativamente o curso da doença e causar complicações. “Na Lombardia, surtos de pneumonia regional já haviam ocorrido no passado devido a sistemas de resfriamento por evaporação contaminados com legionella.

Com base nas informações da China, foram definidos protocolos médicos em todo o mundo que fornecem rapidamente respiração artificial invasiva por intubação para pacientes em terapia intensiva positivos em testes. Por um lado, os protocolos assumem que uma ventilação não invasiva mais suave através de uma máscara é muito fraca; por outro lado, existe o medo de que o „vírus perigoso“ possa se espalhar pelos aerossóis. No entanto, em março, os médicos alemães apontaram que a intubação pode levar a danos adicionais nos pulmões e tem uma chance geral baixa de sucesso. Enquanto isso, médicos dos EUA também se apresentaram que descrevem a intubação como „mais mal do que bem“ para os pacientes. Os pacientes geralmente não sofrem de insuficiência pulmonar aguda, mas de um tipo de doença da altitude, que é agravada pela respiração artificial com aumento da pressão. Em fevereiro, médicos sul-coreanos relataram que pacientes críticos do Covid19 respondem bem à oxigenoterapia sem um ventilador. Os médicos nos EUA mencionado acima adverte que o uso de ventiladores deve ser urgentemente reconsiderado para não causar danos adicionais.

Até agora, as projeções oficiais do Covid19 nos EUA superestimaram as internações por um fator de 8, os leitos de UTIs necessários por um fator de 6,4 e os ventiladores necessários por um fator de 40,5.

O renomado estatístico norte-americano Nate Silver explica por que “a contagem de casos de coronavírus não faz sentido”, a menos que você saiba mais sobre o número e a forma de teste.

Notas adicionais

O site do Dr. Wolfgang Wodarg, um dos críticos mais antigos e internacionalmente conhecidos do pânico do Covid19, foi excluído por algumas horas hoje pelo provedor alemão Jimdo e voltou a ficar on-line novamente após fortes protestos. Não se sabe se a exclusão temporária ocorreu devido a queixas gerais ou instruções políticas.

O endereço de e-mail da universidade do professor emérito Dr. Sucharit Bhakdi, que escreveu uma Carta Aberta à Chanceler Angela Merkel, foi desativado anteriormente, mas também foi reativado após protestos.

Em 2 de abril, o Parlamento dinamarquês adotou uma nova lei que proíbe a publicação de informações no Covid-19 que não esteja em conformidade com as diretrizes do governo e permite a exclusão de sites e a punição ou prisão de autores. Alguns comentaristas se retiraram imediatamente como resultado.

O jornalista alemão de ciência e medicina Harald Wiesendanger escreve em um artigo que sua profissão está completamente falida na crise atual:

„Como uma profissão que deveria controlar os poderosos como um Quarto Estado independente, crítico e imparcial pode sucumbir tão rapidamente quanto um raio. A mesma histeria coletiva de sua audiência, quase por unanimidade, e se entrega a relatórios judiciais, propaganda do governo e deificação de especialistas: É incompreensível para mim, me dá nojo, já tive o suficiente, me dissocio desse desempenho indigno com vergonha completa.

Atualmente, cerca de um terço da humanidade está em „quarentena„, que é mais pessoas do que viveu durante a Segunda Guerra Mundial.

Nos EUA, os pedidos de subsídio de desemprego dispararam para mais de seis milhões(ver gráfico), um número sem paralelo desde a Grande Depressão de 1929.

Mais de cem organizações de direitos humanos e liberdades civis alertam que o mundo está atualmente sonâmbulo em um estado de vigilância.

No Twitter, a hashtag # covid19 foi parcialmente substituída pela hashtag # covid1984.

O geoestrategista norte-americano Henry Kissinger escreve no the Wall Street Journal: „A pandemia de coronavírus alterará para sempre a ordem mundial.“ Os EUA devem „proteger“ seus cidadãos de doenças enquanto iniciam „o trabalho urgente de planejar uma nova época“.

FIM DA PARTE 1

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s